terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Restauração da Igreja de São José em Belo Horizonte



Ponto de referencia no centro da capital mineira, a Igreja de São José cuja a pedra fundamental data de 1902, foi erguida no topo de um morro hoje quase despercebido devido ao disfarce na forma de uma bela escadaria que estende do adro principal até o encontro coma avenida Afonso Pena.

Ah, se essa escada falasse! Quantas coisas iria contar? Orações, protestos, Carnaval, abrigo de pedintes e tudo mais que a avenida mãe pode sediar. Quem não tem algo para contar sobre o que viu quando passou pela igreja de São José? Quantos encontros marcados? E os atalhos no quarteirão percorrendo seus jardins? Há mais de cem anos é lugar privilegiado de religiosidade, cultura, manifestações e encontros na cidade de Belo Horizonte. É muita história...

O templo religioso, que hoje é também um monumento turístico, passa por uma reforma. A parte interna está  restaurada, enquanto a parte externa passa por um minucioso trabalho de recuperação da pintura original. Trabalho sem previsão do termino.  

Então, como passei lá pelos jardins da São José, quis registrar aqui o pouco do que vi do trabalho que está sendo feito.

A parte colorida é a pintura original recuperada. Há anos uma pintura de cor única encobria a arte original.

O projeto arquitetônico do templo foi elaborado por Edgard Nascentes Coelho, e as obras foram dirigidas pelo irmão redentorista holandês Gregório Mulders. A Igreja de São José adotou o plano basilical, o interior do templo possui iluminação moderada, proveniente da sequência de vitrais coloridos. Foi construída em estilo neomanuelino e considerada um dos mais notáveis monumentos construídos na capital.
A ornamentação pictórica da igreja foi executada pelo pintor alemão Guilherme Schumacher, entre 1911 e 1912. O forro da nave central, retrata a vida de São José. 


Teto da parte central da igreja,

A matriz tem 60 metros de comprimento e 19 de largura, construída com fortes influências holandesas. A decoração do interior abriga os capitéis das belas colunas no estilo coríntio, o grandioso presbitério e um órgão de tubos fabricado em 1927. 

Aspecto interno com o altar-mor ao fundo.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Passeio a Santa Bárbara

Distante  a 126 km de Belo Horizonte, a bucólica e setecentista cidade de Santa Bárbara, com seus 310 anos, impressiona pela calmaria em suas ruas centrais nessa era da informação e comunicação.
dos caminhos que nos levam ao município a partir de Belo Horizonte, elegi a estrada de ferro BH-Vitória.  Por ser período de férias, mesmo viajando por um percurso rápido, a sensação de estar turista por um dia não deixa a desejar.

O acesso por ferrovia dura exatamente 1 hora e 30 minutos sendo  o desembarque  na estação Dois Irmãos  no município de Barão de Cocais. A partida se dá na estação central de BH às 7 horas e 30 minutos e a  chegada às 9 horas. Quem desejar retornar de trem só poderá fazer às 18:horas e 30 minutos, horário de passagem do trem que sai de Vitória às 7 horas. Por isso, meu retorno foi rodoviário, cerca de 2 horas e 30 minutos de viagem a partir da rodoviária de Santa Bárbara.

No percurso chama a atenção o grau de depredação de nossas alterosas em função da exploração mineral ...




A estação dois irmãos é a primeira parada para embarque e desembarque do percurso BH-Vitória, de um total de 30. Não apresenta atrativos  e na infraestrutura destaco apenas o transporte coletivo para alguns referenciais turísticos da região:  Santa Bárbara, Barão de Cocais, Vila Cocais e Serra do Caraça ( a ser combinado com antecedência).

Como o meu objetivo maior nesse passeio era andar no novo trem  de passageiros disponibilizado pela Vale , optei por seguir para Santa Bárbara, considerando a facilidade de lá conseguir transporte fácil para o retorno e também por ser uma das cidades históricas mineiras que eu ainda não havia visitado.

Uma cidade pacata e bucólica, percebi desde que pisei nas calçadas centro comercial e histórico. O movimento de moradores pelas ruas era pequeno, poucos carros circulando, dos mais comuns como táxi, polícia e com som de fank (a tal ostentação) avistei apenas um de cada.  O comércio também funcionava em escala mínima tendo abertos apenas um sacolão hortifrúti, um restaurante, uma padaria e algumas farmácias.

No geral as ruas são limpas e os jardins bem cuidados. Gostei das lixeiras de ferro pesado espalhadas em pontos estratégicos da área central. O que não passa despercebido pelo visitante é o cemitério, por sua localização na avenida de maior concentração comercial e ao lado da rodoviária.
O relevo montanhoso da região não deixou de legar algumas ruas com topografia acidentadas, mas do alto todo o cansaço sede lugar aos olhares admirados com a bela paisagem.

Ladeira do Rosário

Ladeira do Rosário
Meus olhos brilharam ao observar os casarões que restaram da antiga cidade barroca, que um pouco nos revela da história do lugar através de suas riquezas em detalhes na construção, nos despertando a  curiosidade sobre o passado. Suspense que faz-me sentir na obrigação de retornar com mais tempo para observar melhor. Até porque, no domingo que lá estive o casarão que abriga o setor de informações turísticas estava fechado. Vai entender...























Grupo Escolar Afonso Pena
Visitei externamente a igreja de Nossa Senhora do Rosário, situada no alto de um morro, que quando descido termina no adro da igreja matriz de Santo Antônio. 

Igreja de  N S do Rosário
A matriz consegui visitar por dentro e observando as pinturas do teto foi fácil identificar que por ali passaram mãos de um mestre da pintura barroca, o mestre Ataíde e seus discípulos.
Além do belo estado de conservação externo, pude observar na lateral direita do pátio , alguns moradores participando de um leilão de objeto, aves domésticas e gado. Disseram-me que a atividade era parte dos festejos dedicados à comemoração do dia de São Sebastião.

Igreja Matriz de Santo Antônio
O douramento, os ornamentos e cores da nave central, altares e do altar mor são melhor explicados pela riqueza que outrora teve os moradores do lugar e pela admiração de nossos contemporâneos.










Sendo cidade natal de Afonso Pena, político influente do inicio do seculo XX que chegou ao cargo de Presidente do Brasil, nada mais obvio do que a existência de um memorial em sua homenagem no casarão onde morou sua família, com exposição de objetos pessoais, documentos de sua vida pública e os seus restos mortais transladados do Rio de Janeiro para os jardins do memorial em 2010.
Considerando que passei muito rápido pela cidade, não consegui visitar o Memorial Afonso Pena e as informações aqui citadas me foram repassadas pela proprietária do restaurante onde almocei.

O morador da Capital quando adentra cidades do interior sempre busca iguarias locais. Gosto de provar quitandas e biscoitos. Na única padaria aberta que encontrei no centro da cidade, comprei biscoitos de polvilho da roça e conversei sobre o comércio local. A proprietária me contou que antes de ser padaria o estabelecimento havia sido uma fábrica de macarrão que foi levada à falência com a expansão dos produtos da industriá alimentícia vindos do Rio de Janeiro, pois os moradores deixaram de comprar o macarrão ali produzido e passaram a consumir o moderno macarrão carioca ... Percebi uma história de luta pela sobrevivência de pequenos empresários de ascendência italiana, mas não quis levar o assunto adiante por hora.

Sobre a dinâmica dos moradores da cidade me chamou a atenção as janelas abertas voltadas para a rua e sem grades de proteção. Também o bate-papo de idosos nas varandas em casas cercadas por  grade e muro baixo. Não vi pedintes e todas as pessoas com as quais conversei me pareceram muito "boa gente".

Santa Bárbara tem uma periferia composta por trabalhadores das mineradoras e siderúrgicas que exploram minérios no município que praticamente se emenda com a periferia de Barão de Cocais. Pelo que pude investigar, o lazer na região são os banhos nas diversas cachoeiras espalhadas em seu entorno, mas isso é conversa para outra postagem.

Apesar do nome da cidade, o santo padroeiro do lugar é Santo Antônio e não Santa Bárbara. Na região parece que nem existe igreja em louvar à santa. Resta-me pesquisar para entender a razão da escolha para o nome da cidade.


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Qual o meu melhor presente neste Natal ?



Era uma vez o Natal ...

Os contos de fadas atravessam a linha do tempo e chegam ao mundo contemporâneo. Assim também caminha o Natal, com sua história mater repleta de simbolismos, antes religiosos, agora em ritmos comerciais, estimulando as pessoas a pensarem, imaginarem e a expressarem seus sonhos e desejos materiais como sendo a fonte da felicidade natalina.

Sentimentos e emoções que rejuvenescem o espirito são méritos buscados por poucos. A história do menino, da manjedoura, da magia da "noite feliz" com o nascimento de Jesus, cada vez mais se distancia da realidade das pessoas e assim a tradição do "era uma vez o Natal" depositada em algumas páginas amareladas da memória humana, aos poucos perde a magia.

O mundo se revela carente de fé e as pessoas, distantes de Deus, correm ao encontro dos presentes, da mesa farta, das indumentarias luxuosas. Para comemorar o quê? O aniversário de um homem despojado de bens materiais. Por isso, não há justificativas para tanto consumismo, egoísmo e falsidade.

Não quero aqui me revelar pessimista, mas entendi após anos de observações e reflexões, que a "noite feliz" é feliz para o homem na condição de que ele seja um receptor de presentes e que a necessidade de expressão da bondade humana leva muitos nesses tempos natalinos a fazerem doações, infelizmente, na maioria das vezes, daquilo que já não lhe cabe mais poder usar, ou de coisas a serem abatidas no próximo IR, isso sem esquecer daqueles que passam os 364 dias do ano sem dizer uma palavra aos familiares, amigos, vizinhos e que ao tocar o "sino de Belém?" aproxima-se como um lobo coberto pela pele de um carneiro, a garimpar suas vantagens instantâneas.
Bom, o melhor presente de Natal para mim seria a transformação moral e espiritual da humanidade, ou pelo menos, daqueles com os quais, no cotidiano, somos levados a conviver, inclusive EU!


RCCBRASIL


segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Aleijadinho : pensando em arte, história, barroco ...

“A história da arte não é apenas uma história de obras, mas também de homens. As obras de arte falam de seus autores, dão a conhecer o seu íntimo e revelam o contributo original que eles oferecem à história da cultura.” (Trecho da Carta do Papa João Paulo II aos Artistas – Paulinas – 1999 – pág.8)

O Aleijadinho faleceu na Freguesia de Antonio Dias em 18 de novembro de 1814, também seu local de nascimento. Na tábua que cobre a sua sepultura aos pés do altar de Nossa Senhora da Boa Morte, na matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Ouro Preto, está escrito: “ Antonio Francisco Lisboa  - O Aleijadinho -   1738 – 1814”.

Delson Gonçalves Ferreira, em seu livro “ O Aleijadinho”, na página 33 da 2ª edição, deixa em aberto a seguinte questão: Quem escreveu e com que provas?
As dúvidas existem porque não há um consenso entre os pesquisadores e as poucas provas documentais que relatam dados sobre a provável data de nascimento do escultor.

O primeiro biógrafo do Aleijadinho foi o professor Rodrigo Bretas. Seus estudos são baseados numa certidão de batismo que apresenta o nome do pai de Antonio Francisco Lisboa como sendo Manuel Francisco da Costa do Bom Sucesso, ao invés de Manuel Francisco da Costa Lisboa. Seria o sobrenome Lisboa referente ao local de onde o pai do mestre havia vindo (ou nascido) e Bom Sucesso ao local onde morava quando o filho Aleijadinho nasceu? Homônimo de pai e mãe?

A segunda suposta data de nascimento vai de encontro ao cálculo que tem por base a citada idade do escultor por ocasião de sua morte, 76 anos conforme certidão de óbito. Para ter essa idade ele teria que ter nascido em 1738. Consideremos aqui a possibilidade de um erro de informação nos registros de datas e idades pelo escrivão.

Há uma descoberta recente feita por um promotor do patrimônio que se especializou nos estudos sobre a vida e obra do artista barroco,  de outro registro de batismo com data de 1737, o qual ele afirma ser o verdadeiro. Alguns historiadores levando em consideração a data de execução da primeira obra de Aleijadinho estimam sua data de nascimento no ano de 1728.

No período colonial  não se dava muito rigor às datas, tanto que a certidão de batismo é que em via de regra determinava a data de nascimento da criança que na verdade confundia-se com a data da obtenção do sacramento. Dificilmente a criança era batizada no dia de seu nascimento. No caso de filhos bastardos e escravos a morosidade devia ser ainda maior, pois dependia da resolução de conflitos familiares e morais.

Numa sociedade escravagista, ser filho de pai  branco, com mãe negra não era coisa rara, mas o preconceito tornava difícil assumir a paternidade. No caso do Aleijadinho o fato de que a sociedade mineradora ocupava-se da busca pelo enriquecimento com a exploração do ouro, deixou que detalhes como a sua alforria e a convivência com o pai português e sua posterior formação familiar  passarem despercebidos  pela censura da sociedade.

Uma contribuição para sua aceitação social foi o seu talento para a arte barroca. Ao provar que sabia fazer o melhor para o momento e tendo o amparo profissional da Igreja Católica, das irmandades religiosas e das congregações dos carmelitas e franciscanos, passa a ser respeitado como profissional e como cidadão, dentro dos limites dos direitos reservados aos bastardos, mestiços e pobres.

A arte reconhecida hoje como patrimônio da humanidade, obra de um gênio que criou um novo estilo da arte barroca  por ele desconhecida, no século XVIII era apenas um trabalho que garantia a sobrevivência do entalhador. O trabalho de escultor, entalhador, projetista, era apenas um ofício comum que como toda profissão tinha especialistas e dentro da normalidade eram contratados por quem os podia pagar.

Como um ser mortal, Aleijadinho envelheceu e adquiriu ou desenvolveu doenças que aos poucos o levaram a óbito. Digo doenças porque não se tem um diagnóstico definido sobre a enfermidade degenerativa que rendeu-lhe o apelido. Após várias exumações, os médicos ainda oscilam entre a hanseníase e a porfiria.


A etapa de vida na qual Antonio Lisboa doente passa a ter que readaptar sua condição física com as atividades profissionais é também um momento no qual a vida política e econômica nas Minas Gerais se torna ainda mais opulenta, devido à decadência da mineração que de certa forma deve ter desestabilizado a demanda de serviços para sua equipe. Sim, equipe. O nosso gênio do barroco mineiro coordenava uma equipe de discípulos escravos.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Blogagem coletiva "Delicadezas de Deus"


Normalmente não costumo postar blogagem coletiva nesse espaço, mas essa é um caso E-S-P-E-C-I-A-L !



Eis-me aqui, uma convidada com certo atraso para a festa. Cheguei no final. Vim correndo para trazer os meus votos de felicidades, paz, amor e muito sucesso! Sim, sucesso!!! São cinco anos de delicadezas à base do amor de Deus e, portanto, nem dá para pensar em outra coisa que não seja o sucesso com as bençãos do Criador.
As delicadezas de Deus estão em toda parte. A nossa presença aqui nessa postagem, da que escreve e dos leitores, é uma delicadeza Dele.
 Parabéns a você Rosélia, pelo empenho, sabedoria e dedicação ao BLOG ! Que muitos outros aniversários possam ser comemorados e que eu consiga estar novamente junto aos seus convidados!
Abraços fraternos.








quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Quem conhece jatobá nem sempre gosta...

Foto de frutos do jatobazeiro existente de frente à capela de Santana no Arraial Velho, Sabará.

O jatobá é uma fruta típica do cerrado, portanto, de Minas Gerais, embora seja encontrada em quase todo o Brasil. 
O jatobazeiro é uma árvore de médio porte da família das leguminosas. O fruto de sabor e aparência mística é produzido de julho a dezembro. Para os indígenas o jatobá é uma fruta com poderes de equilíbrio mental e algumas tribos fazem o uso da fruta antes de realizar suas meditações.
O fruto tem uma casaca muito dura, de cor escura e por dentro possui sementes envoltas numa polpa que se apresenta em forma de farinha com coloração amarelo claro.
Há quem não o aprecie pelo gosto "de pó" e pelo cheiro forte, mas sem dúvida é um fruto exótico!

 fonte:   nutricaoemfoco